Saraiva Conteúdo por Saraiva Conteúdo HQ 29.02.2012 29.02.2012

Amilcar Pinna: HQ dos heróis ao sexo

Por Rafael Roncato
Imagem de 02+01=00

Amilcar Pinna é um dos quadrinistas brasileiros com um emprego de dar inveja a qualquer amante de super-heróis.

 
Ele foi responsável por ilustrar as páginas de grandes personagens do universo Marvel e DC Comics, como X-Men, Hulk, Homem-Aranha e Super-Homem. É bem provável que você já tenha visto algo dele.
Agora, aos 33 anos, Amilcar parte para as novas páginas de sua vida e carreira. O quadrinista segue com uma nova experimentação em seu primeiro álbum independente: um pornô pós-apocalíptico.
 
Em 02+01=00, Amilcar agregou grandes referências de desenhistas como Katsuhiro Otomo, Alphonse Mucha, Moebius e Milo Manara para criar seu próprio universo, que mescla sexo e destruição.
"Com o [projeto] autoral, você coloca e rompe os limites, acho muito bacana. É um grande aprendizado", explica Amilcar ao falar de sua primeira aventura erótica.
 
Além do sexo, 02+01=00 conta com poucos personagens, não há uma fala sequer e é situado numa Terra desconhecida, atemporal e devastada. Com um tom do anime e mangá "Akira", de Katsuhiro Otomo, o próprio Amilcar não esconde: "Otomo é a minha maior influência. Acho demais!"
.
Quando começou seu interesse pelo desenho?
Amilcar Pinna. Meu interesse por desenho veio de muito cedo, meu pai ficava desenhando motos e aviões e eu tentava imitá-lo. Devia ter uns quatro ou cinco anos. Daí vieram os cadernos de desenho, lápis de cor, canetinhas e afins… Comecei a ler um pouco de Homen-Aranha e X-Men quando tinha uns 12 anos, eu acho, mas na verdade eu gostava muito dos desenhos. Li pouco quadrinho até hoje. Gosto muito de autores japoneses.
Sempre desejou seguir nessa área? Conte um pouco sobre esse começo…
Amilcar Pinna. Sempre desenhei, coisa de criança mesmo. Acho que mais ou menos dos 5 anos até hoje em dia… Eu adorava assistir desenhos animados e fazer minhas próprias HQs, tudo por pura diversão. Mas foi quando meu pai alugou "Akira" que eu pensei: "Nossa, quero trabalhar com desenho!”.Vim para São Paulo para estudar e trabalhar com quadrinhos de super-heróis. Mas não foi assim, fiz muitos trabalhos antes disso acontecer, como gibitecário da Quanta, fiz desenhos para livros didáticos, para site de humor e Sítio do Pica Pau Amarelo antes de pegar meu primeiro trabalho como quadrinista.
 
E como foi que você seguiu para trabalhar com desenho, ilustração e quadrinhos?
Amilcar Pinna. Não tinha muita noção de mercado na época. Conforme fui conhecendo os artistas de São Paulo, comecei a sacar melhor as coisas, então foram aparecendo os pequenos trabalhos. Como todos temos que pagar contas, pegava de tudo um pouco. No site de humor, cheguei a ficar mais de um ano trabalhando. Enquanto isso, eu já ia fazendo minhas páginas de amostras para o mercado americano de quadrinhos.
 
Como você começou a trabalhar com ilustrações e quadrinhos da Marvel e DC?
 
Amilcar Pinna. Quando eu parei de fazer páginas de amostras de super-heróis, o Roger Cruz – grande amigo – tinha me dito que queria tirar umas férias dos X-Men e tocar projetos autorais dele. Daí ele me perguntou se eu não queria ajudar: eu faria os desenhos e ele a arte final. Achei o máximo trabalhar com quadrinhos, e ainda junto com um artista que sempre admirei. Foi assim que eu comecei; se não me engano, foi em 2008. Depois de X-Men, acabei desenhando Hulk, Homem-Aranha (ao lado), Black Widow e Super-Homem.Fiquei feliz da vida, foi muito bacana o Roger ter me chamado. Foi mesmo uma realização. Na verdade, eu nunca fui muito de ler super-heróis, gostava mesmo de alguns desenhistas, e o Roger Cruz sempre foi uma referência. Sempre curti aqueles desenhos do "Marvel vs. Capcom", queria fazer heróis daquele jeito na época.
 
 
 
 
 
Spiderman por Amilcar Pinna
 
Como é trabalhar para o mercado editorial americano? Outros brasileiros também produzem para fora, como Gabriel Bá e Fábio Moon, Rafael Grampá, Rafael Albuquerque…
Amilcar Pinna. É trabalhoso, e gostar do que faz é importante. Tem que ter foco para produzir uma página por dia. Dá uma boa visibilidade para o artista, isso é legal. Acho que esses artistas que você mencionou fazem porque gostam do que produzem e também por ser um trabalho que pague as contas. Mas cada um tem um jeito de encarar os quadrinhos…
E para seus projetos autorais, quem você tem como referência?
Amilcar Pinna. Eu acho que é com os autorais que consigo experimentar e evoluir mais o trabalho em termos artísticos. Curto muito fazer. Adoro o trabalho do Rafael Coutinho, o cara é fera mesmo! Referência sempre.
 
Qual o seu processo de trabalho, o que te influencia na hora de criar?
Amilcar Pinna. Focar em desenhar mesmo, tenho curtido muito meu sketchbook. Desenhar o que vier na cabeça e depois pegar no trabalho. Tiro minha inspiração de conversas que tenho com meus amigos, filmes que vejo, músicas que escuto, quadrinhos, mangás…
 
Você acabou de lançar o 02+01=00. De onde veio a ideia desse projeto autoral, ainda mais de temática adulta?
Amilcar Pinna. Queria cumprir o desafio de fazer uma HQ com essa temática. Achei muito divertido desenhar essa HQ. Difícil explicar, acho que quis fazer algo que lembrasse um pouco Akira e as pirações do Moebius, grandes influências. Não gosto de rotular a HQ, quero que cada um tire as próprias conclusões.
 
Além desse projeto, você também tem outros, como Little Rock, Banana Frita e Zero. Conta mais sobre eles…
 
Amilcar Pinna. O Little Rocks é um projeto com a Amanda Grazini. A gente gosta de abordar temas mais fantasiosos com esse projeto. Dividimos o roteiro e os desenhos. O Banana Frita é outro projeto que tenho com a Andréia Regeni, nesse eu pego os contos que ela escreve e adapto para a HQ, são contos sobre pessoas comuns, cotidiano… esse tipo de coisa. Já o Zero (foto ao lado) foi um projeto que tive que arquivar, pois não tinha um roteiro muito sólido. Era sobre as influências que sofremos ao longo da vida, talvez eu ainda volte com esse projeto. Gosto dele.
 
 
 
 
 
 
 
 
Zero
O que você espera daqui para frente na sua carreira e o que podemos esperar de você? Tem alguma novidade por ai?
Amilcar Pinna. Quero continuar com os projetos entre um trabalho e outro. No momento, estou desenhando uma HQ de bang-bang com meus amigos Greg Tocchini e Artur Fujita.
 
 
Confira outros trabalhos de Amilcar Pinna:
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Recomendamos para você