Saraiva Conteúdo por Saraiva Conteúdo Filmes e séries 24.02.2014 24.02.2014

A expectativa dos fãs sobre o filme de ‘Sandman’

Por Aline Maryama
O final de 2013 foi um marco para os fãs de Sandman. O motivo: diversos portais – inclusive o portal SaraivaConteúdo  – e redes sociais anunciaram que um filme baseado na trama dos Perpétuos se tornaria realidade.
 
Até o momento, Neil Gaiman, junto com a Warner Bros, conta com uma equipe interessante.
O ator e diretor Joseph Gordon-Levitt (500 Dias Com Ela, Como Não Perder Essa Mulher) – que está incluso não apenas no elenco, como também é cotado como diretor – e David S. Goyer (O Homem de Aço, Trilogia O Cavaleiro das Trevas) fazem parte da equipe de produção. Quem assume o roteiro é Jack Thorne (vencedor do BAFTA por This is England ’88 e The Fades).
Até agora, a única pista sobre a adaptação do filme é que talvez ele seja baseado em Prelúdios e Noturnos, devido a um tweet enviado por Gordon-Levitt ao qual foi acrescentada a hashtag #Prelude.
 
Joseph Gordon-Levitt e Neil Gaiman
O ELENCO PERFEITO
Para a gestora de conteúdo online, Daniele Polis, a notícia foi uma boa surpresa. “Quando soube que haveria um filme do Sandman, eu quase morri! Sou muito fã dos quadrinhos, e os Perpétuos para mim são fantásticos. Aliás, eu gosto muito das obras do Neil Gaiman (Belas Maldições sempre estará entre meus livros preferidos)”.
Daniele, que também é blogueira e posta no blog Dani Polis foi além e imaginou um elenco para dar vida à família dos Perpétuos. “Sei que a escolha de elenco é a mais difícil, mas estes atores seriam simplesmente perfeitos.” Confira agora o elenco segundo Daniele Polis: Destruição seria interpretado por Ray Stevenson (Roma, Thor). Já Destino seria encarnado por Liam Neeson (A Lista de Schindler), Batman: O Cavaleiro das Trevas) ou John Malkovich (Transformers: O Lado Oculto da Lua), Red: Aposentados e Perigosos).
 
Ray Stevenson, o personagem Destino e Liam Neeson
 
A Morte estaria nas mãos de Wynona Rider (Garota Interrompida), Cisne Negro). O papel de Desejo, que nos quadrinhos sempre carrega a androginia como traço, ela confiaria à musa Angelina Jolie (Salt, Sr. E Sra. Smith) ou a Cillian Murphy (Batman Begins, A Origem), dependendo do roteiro.
 
Angelina Jolie, Desejo e Cillian Murphy
Sonho, o personagem principal, combinaria com Benedict Cumberbatch (Sherlock), Star Trek: Além da Escuridão) ou Tom Hiddleston (Thor, Os Vingadores). Delírio seria Evanna Lynch (Luna Lovegood de Harry Potter). E Desespero combinaria com Conchata Ferrell (Bertha, de Two and a Half Men).
“Quem conhece um pouco dos personagens vai entender minhas escolhas. Eu sei que esse elenco é praticamente impossível, mas seria legal”, acrescenta Polis.
 
Para encerrar, ela pensa em uma trilha sonora mais sombria. “Acho que uma boa cantora para a música de abertura do filme seria o novo sucesso mundial, a Lorde. Ela tem aquele timbre de voz mais forte e sombrio ao mesmo tempo, mas ainda assim jovial”.
 
Benedict Cumberbatch, Sonho e Tom Hiddleston
 
MEDO E ANSIEDADE
Nem todos os fãs estão tão empolgados quanto Daniele, na verdade a grande maioria está apreensiva, pois eles compreendem a imensidão do universo criado e dos arcos. Muitos temem pela integridade da obra.
O paulista Marcelo Lima, escritor, é um deles. “Estou com pouco de medo do filme, mesmo com o Gaiman envolvido.” O fã acompanha Sandman desde os 11 anos e não é a primeira vez que ouve sobre um possível longa. A diferença é que desta vez a produção está bem próxima de se tornar real.
“Imagino eu que eles farão um filme para cada arco (Prelúdios e Noturno, Casa de Bonecas, etc.), e muita coisa ficará de fora. Será impossível passar para o cinema todos os detalhes e subplots sem deixar o filme longo demais e enfadonho; afinal, um dos focos será angariar novos fãs”, acrescenta o escritor. A grande maioria dos fãs tem a mesma preocupação: Sandman ser transformado em algo meramente comercial e ter seus encantos apagados.
Lima preferiu não fantasiar muito a respeito do elenco, mas tem expectativas definidas sobre a trilha sonora. “Espero ouvir muito pós-punk e gótico dos anos 80, uma das raízes do Neil, além de temas épicos – talvez algo experimental entre música erudita e eletrônica, meio Björk , nas cenas relacionadas ao sonhar ou outro cenário onírico”.
 
A personagem Morte, por Chris Bachalo, na edição “Morte, O Preço da Vida” – Vertigo
EXPECTATIVAS ALTAS, ESPERANÇAS BAIXAS
O designer gráfico Victor Guimarães também resolveu não apostar muito alto, pois tem mais medo do que ansiedade. “Expectativas altas, esperanças baixas. Mesmo sabendo que o Neil Gaiman vai acompanhar de perto, ainda está para nascer uma adaptação que me agrade. Espero que seja a do Sandman”.
Como todo fã da obra, Guimarães preza mais pela qualidade de toda a criação envolvida em Sandman do que por apenas um sucesso de bilheteria que, no fundo, não tem nada a ver com os quadrinhos.
“Meu principal receio é a americanização do universo do personagem, como aconteceu com a adaptação Constantine [baseada na HQ Hellblazer]. Por ‘americanização’, vamos entender todo processo que leve à descaracterização do personagem e da história em si em busca da otimização dos lucros”, acrescenta Victor.
Em sua conclusão, ele acredita que o ideal seria não tocar ou moldar o que já foi criado, mas sim a criação de algo especial para o cinema. “Eu preferiria uma aventura nova em vez de uma adaptação dos quadrinhos, que poderia ficar fora de contexto ou levar mais de um filme para contar [a trama], o que nem sempre garante qualidade. A única exceção aqui seria para Ramadan, só por ser uma das minhas favoritas”.
SURPREENDA-ME SE FOR CAPAZ
Para a baiana Luísa Maciel, estudante de Letras e atriz, o melhor é não criar grandes fantasias ou expectativas, apenas aguardar. “Acompanho Gaiman há alguns anos e confio nele. Sei que não vai nos decepcionar, muito menos SE decepcionar. Sandman é a menina dos olhos dele, não vai deixar que estraguem”
Luísa é tão apaixonada pelo universo dos Perpétuos que fez duas adaptações para o teatro. Ela interpretou a Morte em uma das versões e Sonho na outra. “Não foi nada profissional, estávamos no colégio ainda e era para a apresentação de final de ano. Mas me dediquei muito àquilo, pois sabia que Sandman não merecia menos do que o meu melhor”.
A atriz viveu a experiência de tentar dar vida a Sandman e garante que não é fácil. “É uma responsabilidade inexplicável. A dimensão de tudo criado é imensa! Eu estou tentando evitar pensar muito sobre isso. Quero ser surpreendida e sei que, com esse diamante bruto em mãos, isso será fácil”.
Para ela, apenas dois detalhes são fundamentais: “Que não transformem a Delírio em uma boba. Ela é uma personagem incrível, profunda, e temo que deixem ela se passar por boba nas câmeras. E também quero que a Morte seja apaixonante como sempre!”.
Seja por empolgação, medo, ansiedade ou curiosidade, certamente muitos espectadores serão atraídos para a adaptação cinematográfica de Sandman, sedentos para tecer suas teorias e impressões. Agora resta esperar e torcer para que Gaiman, Gordon-Levitt, Goyer e os demais envolvidos encantem a todos.
 
 
 
 
Recomendamos para você