Saraiva Conteúdo por Saraiva Conteúdo Filmes e séries 17.10.2011 17.10.2011

A Bahia da família Amado

Por Felipe Candido
Na foto ao lado, cena do filme Capitães de Areia
 
No ano em se iniciam as comemorações do centenário de nascimento, e também se completam os 10 anos de morte de Jorge Amado, Cecília Amado, neta do escritor baiano faz sua estréia como diretora no cinema.
 
E a obra que marca seu inicio, é justamente uma adaptação de um dos romances mais famosos de seu avô, Capitães da Areia (1937), que recentemente estreou nos cinemas de todo o país.
 
Aos 35 anos, a carioca Cecília Amado tem sangue baiano correndo em suas veias, e sua ascendência, em especial a obra de seu avô a acompanhou durante sua carreira.
 
 
 
 
 
Entre outros trabalhos, Cecília foi assistente de continuidade no longa Tieta do Agreste (1996) de Carlos Diegues, e também foi continuista na minissérie Dona Flor e Seus dois Maridos, dirigida por Mauro Mendonça Filho, e exibida pela Rede Globo em 1997.
 
O primeiro longa
 
Após essas e outras experiências como assistente de direção, Cecília iniciou em 2008 os trabalhos de seu primeiro longa metragem, e escolheu fazer uma adaptação do romance de seu avô.
 
“Eu li Capitães com 14 nos e fiquei apaixonada por aquela história e aquela mensagem de liberdade na luta contra o abandono. Em 2004, eu já trabalhava com cinema e televisão há bastante tempo quando vi um ensaio de uma adaptação de Capitães da Areia para o teatro no Rio de Janeiro. Aqueles atores adolescentes, de classe média carioca, atuavam com tanta emoção que acreditei que essa história no cinema, com atores baianos de universo semelhante ao dos personagens seria arrebatador…e foi”, conta a diretora, que teve uma relação muito estreita com Jorge Amado.
 
“Éramos muito próximos, principalmente durante a minha adolescência quando vivemos juntos na França. Sinto falta de ouvir ele lendo trechos dos seus livros enquanto escrevia, da cadencia da sua voz. Acompanhei a escrita de pelo menos 3: Tocaia Grande (1984), O Sumiço da Santa (1988) e Navegação de Cabotagem (1992).”
 
Essa proximidade fez com que Cecília se sentisse confortável e confiante para transpor para as telas de cinema todo o universo criado por Jorge. “Sou uma apaixonada pela Bahia, pela cultura e pelo povo baiano. Aprendi isso com meu avô. Por isso tive muito prazer em reconstituir a Bahia dos anos cinqüenta com uma releitura bem contemporânea. Procuramos uma nova ‘baianidade’. Eu convivi com um Jorge bem diferente daquele jovem de 24 anos que escreveu o livro e procurei ser fiel ao seu olhar humanista e lírico e me dedicar sem amarras a fazer uma adaptação à dramaturgia própria do cinema.”
 
A nova “baianidade” que a jovem diretora buscou em seu filme, revela que mesmo após décadas, o cenário sócio-cultural do país, em especial da Bahia, não sofreu muitas alterações entre a época em que Capitães da Areia foi escrito, e o de hoje.
 
“Os Capitães da Areia ainda existem. Pouco mudou nesses setenta anos, desde que o romance foi escrito, na essência dos meninos de rua: como é a família, como e porque vão para as ruas, como se organizam e se relacionam com os adultos, a sociedade, as mulheres… Continua muito semelhante. Além disso o filme pega um viés do livro que fala sobre o rito de passagem da adolescência, e essa temática além de atual é universal”, conta Cecília.
 
Cecília Amado, neta de Jorge Amado
 

E é justamente o público adolescente que mais fascina a diretora e que ela deseja que sua obra atinja e expanda seus olhares. “Tenho certeza que esse filme pode ajudar uma geração mais nova se aproximar da obra de Jorge Amado. O romance Capitães da Areia já exerce este papel na formação de novos leitores e acho que o filme, pelo alcance do audiovisual, pode inspirar muitos jovens a procurar na literatura de Jorge Amado a força cultural que tem o Brasil”, afirma Cecília, que tem outros desejos para seu filme: “Trabalho sempre com entrega e paixão. Um filme é um filho e o lançamento é a hora que ele vai pro mundo e começa a caminhar pelas próprias pernas. Espero que tenha uma vida longa e leve sua mensagem tão forte mundo afora”, finaliza.

 

Recomendamos para você